Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Albergaria. Do novo ano letivo à Saúde em Angeja.

por alho_politicamente_incorreto, em 20.09.18

Opinião.jpg

Entre atrasos e a necessidade de apoiar as Famílias – Em Albergaria, o ano letivo começou sem sobressaltos de maior. Excetuando o inesperado atraso nas obras de reabilitação da Escola Secundária - inicialmente com um prazo de execução de 90 dias - que implicou constrangimentos de vária ordem, não há nota de qualquer anormalidade que chegasse a colocar em causa o regresso às aulas. No entanto, continua a perceber-se que a Câmara Municipal se inibe de ir mais longe no apoio às Famílias, especialmente na questão dos livros escolares. Sabendo-se que o Ministério da Educação EMPRESTA somente os manuais certificados, faria todo o sentido que o município oferecesse os cadernos de fichas/atividades. Poderia fazê-lo – como já fazem outros municípios – sem onerar as suas contas, mormente através de um Programa de Ofertas, impondo somente a obrigatoriedade de aquisição nas livrarias do Concelho para assim estimular a economia local.

 

Apetrechar as salas para as colocar no século XXI – Ao fim de 5 anos no poder, o atual executivo camarário ainda tem salas de aulas, no 1.º Ciclo, sem quadros interativos ou outros equipamentos informáticos em quantidade suficiente e que não sejam recondicionados. Impor-se-ia assumir o desígnio, assaz exequível, de dotar todas as salas de aula/atividades de quadros interativos e conteúdos multimédia. Em complemento, persistem as lacunas respeitantes à insuficiência, em quantidade e em qualidade, de espaços polivalentes cobertos que, observando condições mínimas de segurança, permitam às crianças brincar nos dias de severa invernia.

Ademais, aguardava-se, com óbvia expectativa, que a edilidade aceitasse envolver-se no reforço da oferta de Atividades de Complemento e Enriquecimento Curricular (de qualidade) a TODOS os níveis de ensino. Aguardava-se.

«Ao fim de 5 anos no poder, o atual executivo camarário ainda tem salas de aulas, no 1.º Ciclo, sem quadros interativos ou outros equipamentos informáticos em quantidade suficiente (…) faria todo o sentido que o município oferecesse os cadernos de fichas/atividades, impondo somente a obrigatoriedade de aquisição nas livrarias do Concelho para assim estimular a economia local.»

 

Pelo país, sem inícios de melhorias em atmosfera hostil – A nível nacional, o ano letivo teve um início marcado pela sórdida campanha contra a dignidade profissional e prestígio social dos professores, recorrendo a notícias plantadas e a estudos fantasiosos, sem qualquer credibilidade. Vem isto a propósito do relatório «Education at a Glance», divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), reportando-se a comparações que, afinal, se revelam inquinadas. Esqueceu-se a maioria dos órgãos de comunicação social de assinalar que é a própria OCDE quem sublinha naquele relatório que os números sobre a diferença entre os salários dos professores e dos restantes trabalhadores com um curso superior devem ser olhados com prudência. Os autores do estudo mostraram o caso da Grécia onde a proporção de pessoas sobre-qualificadas no mercado de trabalho leva a ganhos médios maiores dos docentes em comparação com trabalhadores com as mesmas qualificações. “Isso pode explicar que os salários dos professores sejam mais altos do que os dos trabalhadores com formação similar”, lê-se no relatório.

Em todo o caso, o clima no setor, com elevados índices de hostilidade entre tutela e professorado, que parecem muitas vezes patrocinados por um sindicalismo trauliteiro e por  boa parte da classe política com um ódio particular pela classe docente, extensivo a personalidades com posições de relevo na comunicação social, poderá ter implicações que não estarão a ser cabalmente estimadas.

 

A Extensão de Saúde de Angeja – Aí está uma matéria sobre a qual o Presidente da Câmara terá criado um "tabu", sobretudo quando o assunto foi abordado em reunião de Câmara por iniciativa dos Vereadores do PSD (José Licínio Pimenta e António Almeida), no período antes da ordem do dia, sem que António Loureiro tenha dado resposta às questões colocadas. Com efeito, foram instalados, num terreno cedido pela Câmara à Comissão de Melhoramentos da Freguesia de Angeja (COMFA), contentores pré-fabricados para  o funcionamento da extensão de saúde de Angeja. Supostamente, a decisão terá sido motivada pela necessidade de fazer melhoramentos no edifício onde são prestados os cuidados de saúde. A situação, contudo, estará longe de ser assim tão clara e linear quanto esta formulação poderia indiciar. Primeiro, porque existe o fundado receio de que o recurso a instalações provisórias se eternize no tempo, podendo até funcionar como antecâmara de um ulterior encerramento. Segundo – e como bem ressalvou o Vereador António Almeida (PSD) e ex-Presidente de Junta daquela Freguesia, o atual posto médico careceria unicamente de pequenas reparações e pinturas para o seu regular funcionamento, o que, só por si, teria evitado a sua deslocalização. Por fim, cumpre notar que esta opção, além de suscitar seríssimas questões de mobilidade, poderá também afetar o acesso dos utentes de Alquerubim. De facto, existem decisões políticas que, pesados os prós e os contras, não se percebem. Pelo menos, à data de hoje...

 

População de Angeja está atenta – Não posso deixar de elogiar a forma atenta como a população de Angeja, em pleno Verão, se dispôs a escrutinar tão sensível processo. Um exemplo de cidadania que importaria replicar até porque não é todos os dias que o povo prioriza a Saúde ou a Educação em detrimento da festa e da febre do alcatrão.

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)

Educação, incêndios, lixo e o feriado municipal.

por alho_politicamente_incorreto, em 06.09.18

Opinião.jpg

Impressões do Verão

 

Vislumbres de famílias anestesiadas – As férias trouxeram de novo a possibilidade conhecer novos destinos, descobrir outros lugares e de apreciar tendências que julgávamos confinadas a um determinado contexto. Vem isto a propósito de a cada hotel, a cada restaurante ou outro espaço de convivência partilhada assomar-se a má criação de alguns pequenos que parecem contar com a omissão dos graúdos. Os petizes falam aos berros, socorrendo-se de um vocabulário pobre mas burgesso, desrespeitando limites ou regras elementares de comportamento, num rosário de condutas merecedoras de vigorosa censura social. À mesa, não existe interação. Uns e outros refugiam-se nos telemóveis ou nos tablets, compondo um cenário despido de afeto, proximidade ou da mais ténue cumplicidade. Alguns Pais – ou progenitores – agem como se os filhos não fossem seus, ao ponto de se presumir que desejariam passar despercebidos ao olhar de terceiros, demitindo-se de sinalizar, ajustar ou modelar atitudes ou reações ostensivamente repreensíveis.

 

Crianças anestesiadas, adultos distantes – Esta forma de encarar a formação e o crescimento de crianças e jovens vai sair-nos cara. Não estamos perante alguma forma de desenvolvimento porque este modelo de autocentrismo pode, no imediato, anestesiar impulsos tidos por inoportunos, mas acabará por criar cidadãos frios, distantes e, o mais grave, incapazes de perceber os interesses e as necessidades do outro. Há duas décadas que o Estado tem optado por sobrecarregar a Escola com toda a sorte de atribuições. Lá no fundo, remeteu para a Escola os problemas que não sabe ou não quer resolver, sem sequer cuidar de investir em mais e melhores recursos. Esta deriva populista, que traz votos, fragilizou a autoridade dos Professores e desvirtuou a função da Escola. De forma mais ou menos encapotada, está a pedir-se à Escola que substitua a Família. Daí que se tente inculcar a falsa impressão que o sucesso está sempre ao alcance de todos, independentemente do esforço ou compromisso em prol das aprendizagens. A aplicação e a humildade parecem cada vez mais estar em desuso. Atira-se: não se pode dizer NÃO às crianças porque ficariam traumatizadas. As crianças não podem ser retidas porque se afetaria a sua autoestima. A (falta de) educação trazida de casa passou a ter um valor meramente simbólico. Lamentavelmente, assistimos à tentativa, absolutamente perniciosa, de transferir atribuições da Família para a Escola, desresponsabilizando a primeira. Tão assumido desvario trará implicações severas, de que todos padeceremos enquanto sociedade.

 

Incêndios com o discurso do costume – Ainda que sem o dramatismo de outros anos, voltámos a ser fustigados com um punhado de grandes incêndios. Uma nota de merecido reconhecimento para os Bombeiros de Albergaria que muito nos honraram quando, em missão, marcaram presença no combate às chamas nos incêndios de Santarém, Monchique e Silves. Entretanto, demorou pouco tempo para escutarmos velhos diagnósticos que denunciam ausência de coordenação ou insuficiente articulação de recursos. Dos políticos, mormente dos governantes, sobrou hipocrisia. Falaram da premência de revitalizar o interior, impedindo a sua desertificação. Em tese, este discurso é consensual, mas não pode ser unicamente apregoado no Verão para consumo da populaça. No resto do ano, não se pode – nem podia! – decretar o encerramento de escolas, urgências, repartições de finanças, estações dos Correios e até de agências do banco do Estado. A esquizofrenia política tem perna curta. E o povo não gosta de ser tomado por parvo.

 

Feriado Municipal negligenciado – Ainda não foi em 2018 que o feriado municipal mereceu uma programação condigna, que assinalasse o dia a nível local e regional. Conhecida como a «Segunda-feira da Senhora do Socorro», pelo facto de, nesse dia, as famílias rumarem ao Bico do Monte com as tradicionais merendas para celebrar a festa à Nossa Senhora, a data parece nada dizer à maioria dos albergarienses. Está desvalorizada. O facto de ser em agosto não pode justificar tamanha omissão. A bem da memória histórica, cumpriria exaltar tão relevante dia para difundir o melhor que Albergaria tem e pode oferecer. Infelizmente, e à semelhança do que há anos acontece nos meses de julho e agosto, a programação inexiste ou é manifestamente insuficiente. Conhecer o nosso passado e valorizar a nossa História é um atributo dos que sentem a terra. Um desígnio que merece investimento.

 

Lixo e… mais queixas – Começa a ser recorrente. Um pouco por todo o Concelho, repetiram-se as queixas atinentes à recolha do lixo. O assunto já foi por mim abordado neste jornal pelo que mantenho a minha perplexidade. Lembro que se trata de um serviço que sai (muito) caro aos munícipes. Ainda que a falta de civismo de alguns ajude, em parte, a explicar o cenário conspurcado que se viveu durante este período, o certo é que parece não ter sido ponderada uma abordagem ajustada às exigências da época. À semelhança de outras datas certas no calendário, onde se pode antecipar um incremento acentuado da acumulação de lixo doméstico, estranha-se que não tenha sido desenhada uma resposta adequada ao interesse público. Lamentável.

 

ARMAB alcançou o 1.º lugar na Primeira Secção do 132.º Certamen Internacional de Bandas de Música Ciudad de Valencia – A Associação Recreativa e Musical Amigos da Branca voltou a encher-nos de orgulho, elevando bem alto o nome de Albergaria, desta feita em Espanha. Com efeito, foi a primeira banda portuguesa a alcançar o 1.º prémio naquele importante Certame Internacional. Sob a direção do Maestro Paulo Martins, conquistou um total de 370 pontos em 400 possíveis! Notável.

Andou bem o Município quando aprovou, por unanimidade, na primeira Reunião de Câmara do mês de agosto, um voto de louvor à ARMAB, assinalando para o efeito  «Mais uma vez, a Associação honrou o Município de Albergaria-a-Velha com uma exemplar atuação, da qual resultou o primeiro lugar num concurso que é o mais antigo e importante concurso de bandas no mundo». A ver vamos se este paradigma de qualidade e compromisso em favor da Cultura passará do formalismo de umas quantas linhas de texto para a disponibilização de um apoio mais efetivo e devidamente proporcionado aos serviços já prestados…

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Google Tradutor


Repto


No meio da rua...


Alhadas passadas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Assinantes de feed

ASSINE NOSSO FEED

Feed

Gadget by Feed Burner modificado por bloggerenciado

Links

Educação

Outros BLOGS

Recursos